quarta-feira, 22 de setembro de 2010

O açougue e a eleição


Quando a escolha do “menos pior” garante o apodrecimento das futuras eleições

Julio Severo
Primeira semana: O cidadão vai ao açougue e pede carne de boi, e o açougueiro lhe dá três opções: Uma carne 60% podre, outra 50% podre e a última 40%.
a%C3%A7ougueiro.jpeg

“Você vai querer qual?” diz o açougueiro.
O cidadão fica em dúvida: “Não posso ficar sem comer carne. Tenho de escolher a menos pior!”
Segunda semana: O cidadão vai ao açougue e pede carne de boi, e o açougueiro lhe dá três opções: Uma carne 80% podre, outra 70% podre e a última 60%.
O cidadão repete: “Tenho de escolher a menos pior!”
Nas próximas semanas, a mesma decisão e o mesmo final: ele sai do açougue com carne de má qualidade, tendo a convicção de que é obrigação comprar. E ele ainda não entende o motivo por que sua saúde vem se deteriorando gradativamente.
Ele come carne podre, reclama; come, reclama, e sempre volta a fazer a mesma coisa.
Na realidade, “o menos pior” é geralmente uma escolha inadmissível no açougue, mas vem sendo escolhida sistematicamente por milhões quando o assunto é eleições. O eleitor vota em candidatos podres, reclama e repete a mesma coisa em eleição após eleição.
Qualquer açougue que venda carne podre que for aceita por seus clientes continuará vendendo produtos de qualidade cada vez mais baixa. E prosseguirá na sua cara de pau — até que haja um boicote.
De forma semelhante, desde o primeiro dia em que os cidadãos brasileiros aceitaram candidatos podres, eles colaboraram para a degradação das eleições. A atitude de escolher “o menos pior” empobrece, prejudica, enfraquece e apodrece a qualidade de qualquer categoria, produto, empresa ou evento, inclusive político.
A chave para a boa qualidade está na atitude do cidadão. Quando um estabelecimento comercial oferece produtos de má qualidade, a obrigação do cidadão é boicotar. Essa é a sua única obrigação. O boicote forçará o comerciante a oferecer produtos de boa qualidade.
A chave para a boa qualidade política é boicotar todos os candidatos podres. Não há candidato de boa qualidade, predominantemente pró-família e pró-vida nestas eleições? Boicote! Cada boicote produzirá próximas eleições com candidatos cada vez menos podres e forçará o aparecimento de um candidato realmente de valor.
Nossa postura para com os candidatos deveria ser: “Quer ser podre, seja, mas não com meu voto. Não vou prejudicar a mim mesmo e minha família com sua podridão”.
Os políticos só respeitam eleitores que exigem qualidade superior e boicotam candidatos de má qualidade moral.
Quem decide se políticos podres governarão o Brasil é você. Quem decide se as eleições futuras serão piores ou melhores é você. Não tenha, pois, medo de sair do açougue safado sem nada nos braços.
Fonte: www.juliosevero.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário

OBRIGADO PELA VISITA.