quarta-feira, 22 de setembro de 2010

O ilustre pastor Silas Malafaia, em seu programa de televisão do dia 11 de setembro de 2010, sugeriu aos seus telespectadores que assistissem ao vídeo do pastor Paschoal Piragine, que faz afirmações contra o PT e pede aos internautas para não votarem em candidatos desse partido. O pastor Paschoal Piragine diz que eles são a favor do aborto e do casamento entre pessoas do mesmo sexo. Como evangélico há 51 anos e evangelista da Assembleia de Deus, gostaria que meus irmãos de fé fizessem uma reflexão sobre algumas informações:

1º) Eu tenho tomado posições claras contra o PL 122, o casamento gay e todos os privilégios dados a esse movimento. Para confirmar, basta acessar o meu site – www.carlosapolinario.com.br – e ler os artigos e entrevistas que registram as minhas posições.

2º) É bom lembrar que, em todos os partidos, existem pessoas a favor do aborto e do chamado casamento gay.

3º) José Serra, quando era prefeito de São Paulo, criou a Coordenadoria de Assuntos de Diversidade Sexual (CADS), órgão institucionalizado pelo prefeito Gilberto Kassab, em 19 de janeiro de 2008. Serra, quando governava São Paulo, assinou o decreto nº 55.588, de 17 de março de 2010, que permite o uso de nomes sociais por funcionários do Estado. Por exemplo, se um homem com o nome João quiser colocar em seu crachá de funcionário o nome de Marieta, ele pode. Segundo o jornal Mensageiro da Paz (edição de setembro de 2010), órgão oficial da Assembleia de Deus presidida pelo eminente pastor José Wellington Bezerra da Costa, José Serra é a favor da união civil homossexual e da adoção de crianças por homossexuais. Também de acordo com o Mensageiro da Paz, Serra, quando era ministro da Saúde, editou a Norma Técnica que permitiu que os hospitais conveniados com o SUS praticassem abortos pela primeira vez no Brasil.

4º) Marina Silva, segundo o jornal Mensageiro da Paz (também na edição de setembro de 2010), é a favor da legalização civil das uniões homossexuais. “Marina defende que homossexuais que vivem como ‘casais’ tenham direito à herança conjunta, plano de saúde conjunto e direitos civis como qualquer casal”, diz o Mensageiro da Paz. Sobre a adoção de crianças por homossexuais, ela declara não ter posição. Em relação ao aborto, pretende transferir a decisão para os eleitores, com a promessa de realizar um plebiscito.

5º) Geraldo Alckmin, como governador, sancionou a lei 10.948. de 5 de novembro de 2001, de autoria de um deputado do PT e aprovada por unanimidade na Assembleia Legislativa de São Paulo e que tem o objetivo de penalizar qualquer instituição acusada de discriminar gays. Segundo essa lei, a empresa acusada de discriminação contra homossexuais poderá ser multada e ter o seu alvará de funcionamento cassado.

6º) Gilberto Kassab, como prefeito de São Paulo, enviou o projeto de lei nº 359/07, que tramita na Câmara Municipal de São Paulo e é praticamente uma versão municipal do PL 122/06, em tramitação no Congresso Nacional.

Ao expor esses dados, não tenho a intenção de defender o PT ou acusar os demais candidatos. Faço isso apenas em defesa da verdade. Porque se nós, para votarmos no dia 3 de outubro, levarmos em consideração apenas posições que tratam do aborto e do homossexualismo, conforme as informações, entre outras, publicadas no Mensageiro da Paz, teremos que votar em branco.


Sou advogado e empresário. Fui deputado estadual três vezes, presidente da Assembleia Legislativa de São Paulo, governador do Estado por dez dias, deputado federal, relator da atual lei eleitoral, e estou no terceiro mandado de vereador na capital paulista. Envangélico há 51 anos e evangelista da Assembleia de Deus.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

OBRIGADO PELA VISITA.