quinta-feira, 23 de setembro de 2010

A Participação Histórica do Povo de Deus nos Governos  (Política) 

Pr. Everton Gianordoli Filho

Eleições? Como deve proceder perante a Palavra.
Ao longo da história da Igreja em nosso país, foi criada uma “cultura” de que Igreja nada tem a ver com a Política e que o servo do Senhor não pode se envolver com política e com o governo. É com freqüência que ouvimos afirmações do tipo: “Eu não voto no irmão fulano...por que se não ele cai!” ou “Política não é coisa para evangélico”, ou “Para que o Povo de Deus tem que ter representante?” , ou ainda “Política e religião não se misturam”. Chegam a ponto de afirmar que não há qualquer menção na Bíblia Sagrada sobre política, seria isto verdade?
Como pastor de um novo tempo para nossa nação tenho uma preocupação muito grande a este respeito. Como Igreja apartidários (ou seja, não devemos nos vinculamos a nenhum partido ou candidato), mas entretanto não somos apolíticos. Entendemos que existem inúmeros exemplos bíblicos, que nos dão a direção de como nos comportar em face às eleições, os governos constituídos e a política. Vejamos alguns exemplos:
Houve um período da história da humanidade  em que as abateu sobre o mundo uma grande fome, não havia alimentos em lugar nenhum, exceto em um País, o Egito. Todo os povos do mundo estavam passando fome, mas Deus providenciou um meio para alimentar o Seu Povo... Colocou José, um servo fiel, em um cargo público no mais alto escalão, o que permitiu que os hebreus recebessem alimentos (Gn 50.19-21). Em outra fase da história os hebreus estavam para ser destruídos, foi arquitetada uma grande cilada para o povo, aparentemente não havia saída, mas existia um homem e uma mulher ligados ao governo da época, a saber: Éster e Mardoqueu, que através de sua mobilização impediram a destruição (Et 4.1,7-9;5.1; 7 e 8). Devemos nos lembrar também da escolha de Daniel e seus companheiros, entre todo o Povo de  Deus que estava cativo  devido as suas qualidades, em especial a de permanecerem fieis a Deus e não se contaminarem,  para estarem diante do Rei (Dn 1.3-5) e após isto e Rei colocou a Daniel como Governador sobre todo o país, o que com certeza beneficiou os hebreus durante o cativeiro.
Estaria o Povo de Deus hoje em situação diferente? Não há hoje necessidade de termos verdadeiros representantes do Senhor nos poderes executivo e legislativo? Lembremo-nos das leis, quase aprovadas a nível federal, uma que restringia a nossa liberdade de adoração a Deus limitando, em muito, o volume de som de nossas Igrejas, outra que pretendia transformar nossas igrejas em “empresas”, entre outras que feriam a Palavra. Só a mobilização da bancada evangélica em Brasília pode impedir sua aprovação, e se lá não houvesse evangélicos? Muitas leis deste tipo também têm sido aprovadas em Câmaras Municipais, porque não temos uma representação de servos do Senhor entre os vereadores. Há cidades em que os cultos ao ar livre são proibidos, o uso de praças (embora públicas) não é permitido, não obstante se utilizem estes mesmos lugares para realizações de eventos de outras religiões ou para shows mundanos. E muitos ainda dizem que não precisamos de representantes no Governo.
Talvez você esteja dizendo: - “Para vereador nos temos candidatos evangélicos mas para prefeito não, o que devo fazer então? Não devo votar?”.
A Bíblia nos instrui em primeiro lugar a “Tomai homens sábios, inteligentes e experimentados, segundo as vossas tribos (portanto irmãos em Cristo) para que os ponhais por vossos cabeças.” (Dt 1.13), mas “quando não havia” em Israel homens que pudessem cumprir os propósitos de Deus, Ele os levantava em os gentios para usá-los em favor do seu povo, como foi o caso de Ciro (2 Cr 36.22-23).
Nos tempos em que vivemos, tempos de perseguições e lutas, nunca foi tão necessário termos homens e mulheres de Deus, verdadeiramente comprometidos, não com um ou outro partido e nem com uma ou outra pessoa, mas realmente compromissado com os Projetos do Senhor Jesus para as cidades.
Quando nos entregamos ao Senhor passamos a pertencer a Ele e somente a Ele, todo em nós pertence a Jesus: nossa saúde, nosso salário, nossa família, nossa casa, nosso trabalho...nosso voto! Sim, o seu voto também pertence a Senhor, como para tudo mais em sua vida peça ao Espírito Santo que te oriente, torne útil seu voto para a expansão de Reino de Deus. Lembrando de que como citamos acima primeiro devemos procurar dentre o Povo de Deus, mas também ser membro de uma Igreja, por si só, não é referencial, analise o candidato, observe: o testemunho cristão, sua comunhão com Deus e com os outros, se tem realmente sua vida orientada pelos princípios da Palavra, veja seu envolvimento na seara do Senhor... e então o prestigie com seu voto.
“Escolheu Moises homens capazes, de todo o Israel, e os constituiu por cabeça sobre o povo...” (Ex 18.25a)
realmente entende. UOL Backup resolve.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

OBRIGADO PELA VISITA.