sábado, 13 de agosto de 2011

CPTM recebe 1 queixa ao dia contra pregação em trens de SP

Passageiros dos trens da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) enviam uma queixa por dia à empresa contra a pregação religiosa nos vagões. A estatal recebeu 177 reclamações de janeiro a junho deste ano, sendo que foram 261 queixas ao longo de 2010. A CPTM coíbe a prática, o que, segundo a empresa, "não se confunde com os direitos assegurados na Constituição", mas se baseia na ideia de que "o Estado é laico e pela própria Constituição ninguém tem o direito de impor sua fé ao outro, notadamente em ambiente fechado como é o caso dos trens". Quando um pregador é removido do vagão, ele perde o direito da viagem, informou a CPTM. As informações são do Jornal da Tarde.
"A maioria das pessoas gosta de ouvir", garante o analista de informática Agostinho Ferreira da Silva, 46 anos, qua há oito anos evangeliza nos vagões da Linha 12-Safira. O operador de logística Vanderlei Aparecido Luiz, 38 anos, usa a Linha 10-Turquesa (Luz/Rio Grande da Serra), a que tem mais denúncias. Ele diz sentir-se incomodado. "Às vezes, eles chegam a gritar. Atrapalham as pessoas que tentam voltar dormindo de um dia cansativo." Ele chegou a ver um evangelizador sendo expulso por passageiros revoltados. "Em uma estação, seguraram a porta e falaram que o trem só andaria se ele saísse." Uma determinação judicial proíbe a prática desde 2009 no Rio de Janeiro, em ação proposta pelo Ministério Público. Painéis nas linhas da Supervias avisam até sobre a possibilidade de cessação coercitiva de práticas dessa natureza, com o apoio da polícia. 

FONTE PORTAL TERRA

Nenhum comentário:

Postar um comentário

OBRIGADO PELA VISITA.