quarta-feira, 28 de novembro de 2012

Espírito Santo é Deus






I. DEFINIÇÃO Deus é uma Unidade, uma essência divina, existindo em Três Pessoas na Divindade, sendo essas Três: Deus Pai, Deus Filho e Deus Espírito Santo.A Palavra Trindade não se encontra na Bíblia.O Credo Atanasiano diz: “Adoramos um Deus em Trindade, e Trindade em Unidade, sem confundir as Pessoas, sem separar a substância”.Cada uma das Três Pessoas da Trindade é Deus, sendo iguais em autoridade, glória e poder. Cada uma igual às outras, merecendo o mesmo culto, a mesma devoção, a mesma confiança e fé.II. PROVAS DA TRINDADEHÁ UM SÓ DEUS VIVO E VERDADEIRO



A Doutrina da Trindade não é uma forma de Triteísmo, ou seja, não é uma crença em três Deuses.



“Ouve, Israel, o Senhor nosso Deus é o único Senhor” (Dt 6.4)“Assim diz o Senhor, Rei de Israel, seu Redentor, o Senhor Deus dos Exércitos: Eu sou o primeiro, e eu sou o último, e além de mim não há Deus” (Is 44.6)“Não terás outros deuses diante de mim” (Ex 20.3)“Eu e o Pai somos um” (Jo 10.30)“Crês, tu que Deus é um só? Fazes bem” (Tg 2.19)“Sabemos que o ídolo de si mesmo nada é no mundo, e que não há senão um só Deus” (1Co 8.4)“Há um só Senhor, uma só fé, um só batismo, um só Deus e Pai de todos, o qual é sobre todos, age por meio de todos e está em todos” (Ef 4.5,6)“Eu sou o Alfa e o Ômega, o primeiro e o último, o princípio e o fim” (Ap 22.13)



DEUS EXISTE COMO TRÊS PESSOAS



1. O Pai é Deus



“Todavia, para nós há um só Deus, o Pai...” (1Co 8.6)“... segundo a presciência de Deus Pai...” (1Pe 1.2)“... subo para meu Pai e vosso Pai, para meu Deus e vosso Deus” (Jo 20.17)



2. O Filho é Deus



“Cristo, ..., o qual é sobre todos, Deus bendito para todo o sempre” (Rm 9.5)



“Porquanto nele (Cristo) habita corporalmente toda a plenitude da Divindade” (Cl 2.9)



“Eu e o Pai somos um” (Jo 10.30)



“No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus” (Jo 1.1)



“Ninguém jamais viu a Deus; o Deus unigênito, que está no seio do Pai, é quem o revelou” (Jo 1.18)



“Respondeu-lhe Tomé: Senhor meu e Deus meu!” (Jo 20.28)



“... e um só Senhor, Jesus Cristo, pelo qual são todas as cousas, e nós também, por ele” (1Co 8.6)



“Mas acerca do Filho: O teu trono, ó Deus, é para todo o sempre...” (Hb 1.8)



“... estamos no verdadeiro, em seu Filho, Jesus Cristo. Este é o verdadeiro Deus e a vida eterna” (1Jo 5.20)



“Aguardando a bendita esperança e a manifestação da glória do nosso grande Deus e Salvador Cristo Jesus” (Tt 2.13)



“Tu és digno, Senhor e Deus nosso, de receber a glória, a honra e o poder, porque todas as cousas tu criaste, sim, por causa da tua vontade vieram a existir e foram criadas”(Ap 4.11)



3. A Cristo são atribuídos os atributos que são designados somente à Deus:



a) Santidade: Mc 1.24; 2Co 5.21; Jo 8.46; Hb 7.26b) Eternidade: Jo 1.1; 8.58; Hb 1.8; Jo 17.5c) Vida: Jo 1.4; 14.6; 11.25d) Imutabilidade: Hb 13.8; 1.11,12e) Onipotência: Mt 28.18; Ap 1.8f) Onisciência: Jo 16.30; Mt 9.4; Jo 6.64; Cl 2.3g) Onipresença: Mt 28.20; Ef 1.23h) Criação: Jo 1.3; 1.10; Cl 1.16,17; Hb 1.3i) Ressuscitando os mortos: Jo 5.27-29j) Oração e devoção devem ser dirigidas a Cristo: Jo 14.14; Lc 24.51,52; At 7.59; Jo 5.23; At 16.31; Hb 1.6; Fp 2.10,11; 2Pe 3.18; Hb 13.21; Is 45.22



Conforme esses atributos que são dados a Cristo, nos é ensinado de forma clara a Sua Divindade, caso contrário seria uma blasfêmia atribuir a Ele, os atributos, caso não fosse Deus.



4. O Espírito Santo é Deus



“Então disse Pedro: Ananias, por que encheu Satanás teu coração, para que mentisse ao Espírito Santo... Não mentistes aos homens mas a Deus” (At 5.3,4) “Porque, qual dos homens sabe as coisas do homem, senão o seu próprio espírito que nele está? assim também as cousas de Deus ninguém as conhece, senão o Espírito de Deus” (1Co 2.11) “Ora, o Senhor é o Espírito; e, onde está o Espírito do Senhor, aí há liberdade” (2Co 3.17) “Ide, portanto, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome (singular) do Pai e do Filho e do Espírito Santo” (Mt 28.19)



O Espírito Santo é colocado ao mesmo pé de igualdade com o Filho e com o Pai e Ele têm os mesmos poderes e atributos.



SÃO PESSOAS DISTINTAS ENTRE SI



1. Relacionamento Pessoal



Nas relações pessoais que a Trindade têm entre si é evidenciado que são Pessoas diferentes. As suas designações Pai, Filho e Espírito Santo testificam isso: a) Usam mutuamente os pronomes Eu, Tu, Ele quando falam um do outro, ou entre si (Mt 17.5; Jo 17.1; 16.28; 16.13)b) O Pai ama o Filho, e o Filho ama o Pai. O Espírito Santo glorifica o Filho (Jo 3.35; 15.10; 16.14)c) O Filho ora ao Pai (Jo 17.5; 14.16)d) O Pai envia o Filho, e o Filho e o Pai enviam o Espírito Santo que atua como Seu Agente (Mt 10.40; Jo 17.18; 14,26; 16.7)



Porquanto, pelo fato de usar pronomes Eu, Tu, entre Si é evidenciado que há um só Deus em Três Pessoas Distintas.



2. São Apresentadas Separadamente



Três Pessoas distintas são apresentadas em 2Sm 23.2,3; Is 48.16; 63.7-10. Igualmente, à vista do fato da criação ser atribuída a cada Pessoa da Divindade separadamente, como também a Eloim com as palavras “Também disse Deus (Eloim): Façamos o homem ‘a nossa’ imagem” (Gn 1.26).



Temos forte convicção da mesma verdade no plural de Eclesiastes 12.1 que diz: “Lembra-te do(s) teu(s) criador(es) nos dias da tua mocidade”, e Is 54.5, que diz: “Porque o(s) teu(s) criador(es) é(são) teu marido”.



QUANTO AS OBRAS DE CADA UM



É declarado que Cada Pessoa realiza as obras de Deus e assim todas a executaram. Nunca é mencionado as Três Pessoas realizando as obras juntas e sim como que se a outra não a tivesse realizado.1. A Criação do Universo Pai (Sl 102.25); Filho (Cl 1.16); Espírito Santo (Gn 1.2; Jó 26.13). Tudo se combina com Gn 1.1 (Deus – Eloim).



2. A Criação do HomemPai (Gn 2.7); Filho (Cl 1.16); Espírito Santo Jó 33.4). Resumindo tudo isso em Ec 12.1 e Is 54.5, onde Criador é plural no original.



3. A Morte de CristoPai (Sl 22.15; Rm 8.32; Jo 3.16); Filho (Jo 10.18; Gl 2.20); Espírito Santo (Hb 9.14).4. RessurreiçãoPai (At 2.24); Filho (Jo 10.18; 2.19); Espírito Santo (1Pe 3.18).5. Inspiração das EscriturasPai (2Tm 3.16); Filho (1Pe 1.10,11); Espírito Santo (2Pe 1.21).



III. A DOUTRINA DA TRINDADE NO VELHO TESTAMENTO



O Velho Testamento logo no seu início insinua uma pluralidade na Divindade, demonstrando assim, claramente a Trindade (Gn 1.1,26; 3.22; 11.6,7; 20.13; 48.15; Is 6.8).



OS NOMES DE DEUS NO PLURAL



Em Gênesis 1.1 vemos o nome Eloim. Este Nome é plural na forma, mas singular no significado. Os versículos seguintes demonstram isso (Gn 1.26,27; 3.22); indicando então uma Trindade.



Há vários versos que Deus aparece falando consigo mesmo e com isso demonstrando conselho dentro da Trindade. Sabemos que Deus não se aconselha e nem pede conselhos (Gn 1.26,27; 3.22; 11.7; Is 6.8); indicando assim uma Trindade. Essa auto-conversa não pode ser atribuída aos anjos, pois eles não estavam associados com Deus na criação.



O ANJO DO SENHOR



Esse se trata do Logos pré encarnado, Deus Filho, em manifestação angélica ou até mesmo humana. 



Algumas dessas manifestações se deram a: Hagar (Gn 16.7-14); Abraão (Gn 22.11-18); Jacó (Gn 31.11,13); Moisés (Ex 3.2-5); Israel (Ex 14.19; cf. 23.20; 32.34); Balaão (Nm 22.22-35); Gideão (Jz 6.11-23); Manoá (Jz 13.2-25); Davi (1Cr 21.15-17); Elias 1Rs 19.5-7); Ele feriu de morte 185.000 assírios em uma noite (2Rs 19.35); etc.



Este Anjo foi adorado (Ex 3.5,6), se Ele não fosse Cristo, seria blasfêmia um anjo receber adoração que é devida só a Deus (Ap 22.8,9). 



Essas manifestações no Velho Testamento tinham por finalidade prever a hora em que finalmente Ele viria na carne. Apenas uma única exceção, em que o anjo não é o Logos se encontra em Ageu 1.13, onde o próprio Ageu é o “mensageiro” do Senhor.



Outras provas bíblicas dessa afirmação são: Gn 17.2,17; 18.22 com 19.1; Js 5.13-15 com 6.2; Jz 13.8-21; Zc 1.11; 3.1; 13.7.



A BÊNÇÃO ARAÔNICA



Esse exemplo de trisagia indica uma insinuação da Trindade (Nm 6.24-26).



“O Senhor te abençoe e te guarde; o Senhor faça resplandecer o rosto sobre ti e tenha misericórdia de ti; o Senhor sobre ti levante o rosto e te dê a paz”.



Note que muito embora a passagem citada seja uma bênção, é um só o Deus que abençoa. Sabemos isso pela menção da verso seguinte: “Assim porão o meu nome sobre os filhos de Israel, e eu os abençoarei”. 



LOGO NO INÍCIO



Encontramos no primeiro versículo da Bíblia duas manifestações da Divindade que segue: “No princípio criou Deus... e o Espírito de Deus movia-se”. Portanto notamos que o Criador de todas as Coisas é Deus e o Espírito Santo move-Se sobre este mundo, com o propósito de nos conduzir, guiar e instruir no caminho que Ele deseja que andemos.



A palavra usada Eloim, Deus em português, é o primeiro dos nomes da Divindade, é um substantivo plural na forma, mas singular no significado quando se refere ao verdadeiro Deus.



IV. A TRINDADE NO NOVO TESTAMENTO 



No Novo testamento a Trindade é perfeitamente identificada. Por isso ela pode ser facilmente formulada pelas passagens que se seguem:



NA FÓRMULA BATISMAL



As instruções de Cristo de batizarem “em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo” declaram a Trindade (Mt 28.19).



NO BATISMO DE CRISTO



As Três Pessoas da Divindade são evidenciadas distintamente em Seu Batismo (Mt 3.16,17).



NA BÊNÇÃO APOSTÓLICA



As Três Pessoas são vistas (2Co 13.14).



O FILHO E O ESPÍRITO É DEUS 



Juntamente com o próprio Deus eles formam uma Unidade (Jo 6.27; 10.30; At 5.3,5). 



PRINCIPAIS DECLARAÇÕES BÍBLICAS: 



1. Em João 1.1 encontramos uma das maiores provas de que Cristo é Deus. No original grego diz: “e Deus era a palavra”, declarando assim explicitamente que Cristo é Deus. 



2. Sabemos que Deus é o Criador das coisas, em Jo 1.3; Hb 1.2; Cl 1.16, vemos que Cristo é o Criador de todas as coisas. 



3. Tomé declara em relação a Cristo: “Senhor meu e Deus meu!” (At 20.28). 



4. UMA PROVA “ESPETACULAR”DA TRINDADE 



Observe a passagem clássica em Isaías 6. a) O Ser a Quem é dirigido a adoração é o “Senhor dos Exércitos”, o Pai. b) Mas em João 12.41 em manifesta referência a esta transação diz sobre a glória dele (de Cristo). Portanto, temos também o Filho, cuja glória nesta ocasião o profeta disse ter visto. c) Atos 28.25 determina que também havia a presença do Espírito Santo. As palavras deste versículo, Isaías declara que foram ditas na mesma ocasião pelo “Senhor dos Exércitos” (Is 6.9). 



Resumindo todas as circunstâncias de Isaías 6: 



O LUGAR: o santo lugar dos santos; a repetição da homenagem, TRÊS vezes, Santo, santo, santo; o ÚNICO Jeová dos Exércitos, a quem foi dirigida; O pronome plural usado por este ÚNICO Jeová, NÓS; A declaração do evangelista de que nesta ocasião Isaías viu a glória de CRISTO; A declaração de Paulo, que o Senhor dos Exércitos que falou nessa ocasião era o ESPÍRITO SANTO; E a conclusão não parecerá desprovida da mais poderosa autoridade, tanto circunstancial quanto declaratória, que a adoração, Santo, santo, santo, referia-se à Divina Trindade, na essência do Senhor dos Exércitos. 



De acordo com isso, em Apocalipse, “o cordeiro” está em associação com o Pai, sofre ou é objeto de igual homenagem e louvor dos santos e dos anjos. Esta cena em Isaías é transferida para o capítulo quatro (v.8), e as “criaturas viventes”, os serafins do profeta, são ouvidos na mesma melodia e com a mesma repetição trina, dizendo: “Santo, Santo, Santo é o Senhor Deus, o Todo-poderoso, aquele que era, que é e que há de vir”. 



5. Vejamos outra passagem: Gênesis 48.15,16



Temos, nas palavras de Jacó, a menção de Três Pessoas distintas:a) “O Deus em cuja presença andaram meus pais” eb) “o Anjo que me tem livrado”. 



Temos aqui pelo menos duas Pessoas; mas, mais adiante, temos, o



c) “Deus que me sustentou”.



Este último, indubitavelmente distingue-se do Anjo e também do Deus diante do qual os seus pais andaram. Portanto, temos aqui Três Pessoas distintas, sob três nomes pessoais e realizando obras distintas. Cada um realizando obras distintas e recebendo adoração que só a Deus é devida. 



Os dois outros são realmente Pessoas Divinas, pois as Escrituras confirmam isso: Elas descrevem Deus Pai como o líder, o mestre, ou aquele diante do qual nossos pais andaram; e o Filho como o Goel, o Anjo que remiu; e Deus que é o Autor de toda iluminação, santificação e conforto, com oEspírito Santo que nos fornece alimento espiritual e nos alimenta com ele.



Também outras passagens atribuem ser Cristo o Próprio Deus (Rm 9.5; Tt 2.13; Hb 1.8; 1Jo 5.20; 1Co 8.5,6; Ap 4.11). 



F. AS TRÊS PESSOAS RECEBEM OS MESMOS ATRIBUTOS: 



Eternidade: Pai (Sl 90.12); Filho (Ap 1.8,17; Jo 1.2; Mq 5.2); Espírito Santo (Hb 9.14). 


Poder infinito: Pai (1Pe 1.5); Filho (2Co 12.9); Espírito Santo (Rm 15.19). 


Onisciência: Pai (Jr 17.10); Filho (Ap 2.23); Espírito Santo (1Co 2.11). 


Onipresença: Pai (Jr 23.24); Filho (Mt 18.20); Espírito Santo (Sl 139.7). 


Santidade: Pai (Ap 15.4); Filho (At 3.14); o Espírito é chamado de Espírito Santo, foi por isso que os anjos clamaram: “Santo, santo, santo é o Senhor dos Exércitos” (Is 6.3). 


Verdade: Pai (Jo 7.28); Filho (Ap 3.17); Espírito Santo (1Jo 5.6). 


Benevolentes: Pai (Rm 2.4); Filho (Ef 5.25); Espírito Santo (Ne 9.20). 


Comunhão: Pai (1Jo 1.3); Filho (idem); Espírito Santo (2Co 13.14). 



Tudo o que se diz de uma Pessoa é como que se as outras não existissem. O fato de que cada Pessoa possui todas as características divinas e de maneira tão completa que pareceria que nenhuma outra precisaria possuí-las, declara a distinção existente entre as Pessoas. 



Por outro lado, o fato de que elas todas manifestam estas características de maneira idêntica e na mesma medida, declara a Unidade da qual o seu modo de existência brota.

Um comentário:

OBRIGADO PELA VISITA.