quinta-feira, 29 de novembro de 2012

Aquietai-vos


Aquietai-vos, e sabei que Eu  sou Deus.
 
Conheço o teu medo,
A tua felicidade e os teus sonhos.
Conheço tua estrada
E sei exatamente o teu destino
Conheço-te por dentro...
E sem que tu tenhas que me pedir,
Eu entendo o que tu queres.
Conheço o teu sorriso,
E sei tudo que esta dentro do teu coração.
Conheço  e te reconheço em qualquer lugar...
Sei do teu amor, das tuas saudades,
Dos sonhos que movimentam a tua vida
E da esperança que te faz lutar.
Amo-te, pelo que tu és, e
Para mim, és um ser valioso.
Amo-te, mesmo quando perdes
A confiança em mim.
Amo-te, mesmo sem saberes...
Acompanho-te desde sempre!
Estou ao teu lado
Mesmo quando pensas que te abandonei...
Vibro em cada minuto da tua felicidade.
Choro com cada lagrima tua.
Sofro com toda a tua dor,
E te estendo as mãos a todo o momento,
Embora muitas vezes teimes em não me pedires ajuda,
Mesmo assim, continuo a te proteger...
 
Conheço-te
E sei  que és muito especial,
Como é especial cada filho meu,
Mas cada um com as suas diferenças,
Ainda assim, o meu Amor é incondicional,
E ele é o maior Amor do mundo
Conheço-te
Por que eu te criei
 
 
“Aquietai-vos,e sabei que Eu sou Deus”
“Deus é o nosso refugio e fortaleza, socorro bem presente na angústia”
Salmo 46-1 e 10

quarta-feira, 28 de novembro de 2012

Espírito Santo é Deus






I. DEFINIÇÃO Deus é uma Unidade, uma essência divina, existindo em Três Pessoas na Divindade, sendo essas Três: Deus Pai, Deus Filho e Deus Espírito Santo.A Palavra Trindade não se encontra na Bíblia.O Credo Atanasiano diz: “Adoramos um Deus em Trindade, e Trindade em Unidade, sem confundir as Pessoas, sem separar a substância”.Cada uma das Três Pessoas da Trindade é Deus, sendo iguais em autoridade, glória e poder. Cada uma igual às outras, merecendo o mesmo culto, a mesma devoção, a mesma confiança e fé.II. PROVAS DA TRINDADEHÁ UM SÓ DEUS VIVO E VERDADEIRO



A Doutrina da Trindade não é uma forma de Triteísmo, ou seja, não é uma crença em três Deuses.



“Ouve, Israel, o Senhor nosso Deus é o único Senhor” (Dt 6.4)“Assim diz o Senhor, Rei de Israel, seu Redentor, o Senhor Deus dos Exércitos: Eu sou o primeiro, e eu sou o último, e além de mim não há Deus” (Is 44.6)“Não terás outros deuses diante de mim” (Ex 20.3)“Eu e o Pai somos um” (Jo 10.30)“Crês, tu que Deus é um só? Fazes bem” (Tg 2.19)“Sabemos que o ídolo de si mesmo nada é no mundo, e que não há senão um só Deus” (1Co 8.4)“Há um só Senhor, uma só fé, um só batismo, um só Deus e Pai de todos, o qual é sobre todos, age por meio de todos e está em todos” (Ef 4.5,6)“Eu sou o Alfa e o Ômega, o primeiro e o último, o princípio e o fim” (Ap 22.13)



DEUS EXISTE COMO TRÊS PESSOAS



1. O Pai é Deus



“Todavia, para nós há um só Deus, o Pai...” (1Co 8.6)“... segundo a presciência de Deus Pai...” (1Pe 1.2)“... subo para meu Pai e vosso Pai, para meu Deus e vosso Deus” (Jo 20.17)



2. O Filho é Deus



“Cristo, ..., o qual é sobre todos, Deus bendito para todo o sempre” (Rm 9.5)



“Porquanto nele (Cristo) habita corporalmente toda a plenitude da Divindade” (Cl 2.9)



“Eu e o Pai somos um” (Jo 10.30)



“No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus” (Jo 1.1)



“Ninguém jamais viu a Deus; o Deus unigênito, que está no seio do Pai, é quem o revelou” (Jo 1.18)



“Respondeu-lhe Tomé: Senhor meu e Deus meu!” (Jo 20.28)



“... e um só Senhor, Jesus Cristo, pelo qual são todas as cousas, e nós também, por ele” (1Co 8.6)



“Mas acerca do Filho: O teu trono, ó Deus, é para todo o sempre...” (Hb 1.8)



“... estamos no verdadeiro, em seu Filho, Jesus Cristo. Este é o verdadeiro Deus e a vida eterna” (1Jo 5.20)



“Aguardando a bendita esperança e a manifestação da glória do nosso grande Deus e Salvador Cristo Jesus” (Tt 2.13)



“Tu és digno, Senhor e Deus nosso, de receber a glória, a honra e o poder, porque todas as cousas tu criaste, sim, por causa da tua vontade vieram a existir e foram criadas”(Ap 4.11)



3. A Cristo são atribuídos os atributos que são designados somente à Deus:



a) Santidade: Mc 1.24; 2Co 5.21; Jo 8.46; Hb 7.26b) Eternidade: Jo 1.1; 8.58; Hb 1.8; Jo 17.5c) Vida: Jo 1.4; 14.6; 11.25d) Imutabilidade: Hb 13.8; 1.11,12e) Onipotência: Mt 28.18; Ap 1.8f) Onisciência: Jo 16.30; Mt 9.4; Jo 6.64; Cl 2.3g) Onipresença: Mt 28.20; Ef 1.23h) Criação: Jo 1.3; 1.10; Cl 1.16,17; Hb 1.3i) Ressuscitando os mortos: Jo 5.27-29j) Oração e devoção devem ser dirigidas a Cristo: Jo 14.14; Lc 24.51,52; At 7.59; Jo 5.23; At 16.31; Hb 1.6; Fp 2.10,11; 2Pe 3.18; Hb 13.21; Is 45.22



Conforme esses atributos que são dados a Cristo, nos é ensinado de forma clara a Sua Divindade, caso contrário seria uma blasfêmia atribuir a Ele, os atributos, caso não fosse Deus.



4. O Espírito Santo é Deus



“Então disse Pedro: Ananias, por que encheu Satanás teu coração, para que mentisse ao Espírito Santo... Não mentistes aos homens mas a Deus” (At 5.3,4) “Porque, qual dos homens sabe as coisas do homem, senão o seu próprio espírito que nele está? assim também as cousas de Deus ninguém as conhece, senão o Espírito de Deus” (1Co 2.11) “Ora, o Senhor é o Espírito; e, onde está o Espírito do Senhor, aí há liberdade” (2Co 3.17) “Ide, portanto, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome (singular) do Pai e do Filho e do Espírito Santo” (Mt 28.19)



O Espírito Santo é colocado ao mesmo pé de igualdade com o Filho e com o Pai e Ele têm os mesmos poderes e atributos.



SÃO PESSOAS DISTINTAS ENTRE SI



1. Relacionamento Pessoal



Nas relações pessoais que a Trindade têm entre si é evidenciado que são Pessoas diferentes. As suas designações Pai, Filho e Espírito Santo testificam isso: a) Usam mutuamente os pronomes Eu, Tu, Ele quando falam um do outro, ou entre si (Mt 17.5; Jo 17.1; 16.28; 16.13)b) O Pai ama o Filho, e o Filho ama o Pai. O Espírito Santo glorifica o Filho (Jo 3.35; 15.10; 16.14)c) O Filho ora ao Pai (Jo 17.5; 14.16)d) O Pai envia o Filho, e o Filho e o Pai enviam o Espírito Santo que atua como Seu Agente (Mt 10.40; Jo 17.18; 14,26; 16.7)



Porquanto, pelo fato de usar pronomes Eu, Tu, entre Si é evidenciado que há um só Deus em Três Pessoas Distintas.



2. São Apresentadas Separadamente



Três Pessoas distintas são apresentadas em 2Sm 23.2,3; Is 48.16; 63.7-10. Igualmente, à vista do fato da criação ser atribuída a cada Pessoa da Divindade separadamente, como também a Eloim com as palavras “Também disse Deus (Eloim): Façamos o homem ‘a nossa’ imagem” (Gn 1.26).



Temos forte convicção da mesma verdade no plural de Eclesiastes 12.1 que diz: “Lembra-te do(s) teu(s) criador(es) nos dias da tua mocidade”, e Is 54.5, que diz: “Porque o(s) teu(s) criador(es) é(são) teu marido”.



QUANTO AS OBRAS DE CADA UM



É declarado que Cada Pessoa realiza as obras de Deus e assim todas a executaram. Nunca é mencionado as Três Pessoas realizando as obras juntas e sim como que se a outra não a tivesse realizado.1. A Criação do Universo Pai (Sl 102.25); Filho (Cl 1.16); Espírito Santo (Gn 1.2; Jó 26.13). Tudo se combina com Gn 1.1 (Deus – Eloim).



2. A Criação do HomemPai (Gn 2.7); Filho (Cl 1.16); Espírito Santo Jó 33.4). Resumindo tudo isso em Ec 12.1 e Is 54.5, onde Criador é plural no original.



3. A Morte de CristoPai (Sl 22.15; Rm 8.32; Jo 3.16); Filho (Jo 10.18; Gl 2.20); Espírito Santo (Hb 9.14).4. RessurreiçãoPai (At 2.24); Filho (Jo 10.18; 2.19); Espírito Santo (1Pe 3.18).5. Inspiração das EscriturasPai (2Tm 3.16); Filho (1Pe 1.10,11); Espírito Santo (2Pe 1.21).



III. A DOUTRINA DA TRINDADE NO VELHO TESTAMENTO



O Velho Testamento logo no seu início insinua uma pluralidade na Divindade, demonstrando assim, claramente a Trindade (Gn 1.1,26; 3.22; 11.6,7; 20.13; 48.15; Is 6.8).



OS NOMES DE DEUS NO PLURAL



Em Gênesis 1.1 vemos o nome Eloim. Este Nome é plural na forma, mas singular no significado. Os versículos seguintes demonstram isso (Gn 1.26,27; 3.22); indicando então uma Trindade.



Há vários versos que Deus aparece falando consigo mesmo e com isso demonstrando conselho dentro da Trindade. Sabemos que Deus não se aconselha e nem pede conselhos (Gn 1.26,27; 3.22; 11.7; Is 6.8); indicando assim uma Trindade. Essa auto-conversa não pode ser atribuída aos anjos, pois eles não estavam associados com Deus na criação.



O ANJO DO SENHOR



Esse se trata do Logos pré encarnado, Deus Filho, em manifestação angélica ou até mesmo humana. 



Algumas dessas manifestações se deram a: Hagar (Gn 16.7-14); Abraão (Gn 22.11-18); Jacó (Gn 31.11,13); Moisés (Ex 3.2-5); Israel (Ex 14.19; cf. 23.20; 32.34); Balaão (Nm 22.22-35); Gideão (Jz 6.11-23); Manoá (Jz 13.2-25); Davi (1Cr 21.15-17); Elias 1Rs 19.5-7); Ele feriu de morte 185.000 assírios em uma noite (2Rs 19.35); etc.



Este Anjo foi adorado (Ex 3.5,6), se Ele não fosse Cristo, seria blasfêmia um anjo receber adoração que é devida só a Deus (Ap 22.8,9). 



Essas manifestações no Velho Testamento tinham por finalidade prever a hora em que finalmente Ele viria na carne. Apenas uma única exceção, em que o anjo não é o Logos se encontra em Ageu 1.13, onde o próprio Ageu é o “mensageiro” do Senhor.



Outras provas bíblicas dessa afirmação são: Gn 17.2,17; 18.22 com 19.1; Js 5.13-15 com 6.2; Jz 13.8-21; Zc 1.11; 3.1; 13.7.



A BÊNÇÃO ARAÔNICA



Esse exemplo de trisagia indica uma insinuação da Trindade (Nm 6.24-26).



“O Senhor te abençoe e te guarde; o Senhor faça resplandecer o rosto sobre ti e tenha misericórdia de ti; o Senhor sobre ti levante o rosto e te dê a paz”.



Note que muito embora a passagem citada seja uma bênção, é um só o Deus que abençoa. Sabemos isso pela menção da verso seguinte: “Assim porão o meu nome sobre os filhos de Israel, e eu os abençoarei”. 



LOGO NO INÍCIO



Encontramos no primeiro versículo da Bíblia duas manifestações da Divindade que segue: “No princípio criou Deus... e o Espírito de Deus movia-se”. Portanto notamos que o Criador de todas as Coisas é Deus e o Espírito Santo move-Se sobre este mundo, com o propósito de nos conduzir, guiar e instruir no caminho que Ele deseja que andemos.



A palavra usada Eloim, Deus em português, é o primeiro dos nomes da Divindade, é um substantivo plural na forma, mas singular no significado quando se refere ao verdadeiro Deus.



IV. A TRINDADE NO NOVO TESTAMENTO 



No Novo testamento a Trindade é perfeitamente identificada. Por isso ela pode ser facilmente formulada pelas passagens que se seguem:



NA FÓRMULA BATISMAL



As instruções de Cristo de batizarem “em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo” declaram a Trindade (Mt 28.19).



NO BATISMO DE CRISTO



As Três Pessoas da Divindade são evidenciadas distintamente em Seu Batismo (Mt 3.16,17).



NA BÊNÇÃO APOSTÓLICA



As Três Pessoas são vistas (2Co 13.14).



O FILHO E O ESPÍRITO É DEUS 



Juntamente com o próprio Deus eles formam uma Unidade (Jo 6.27; 10.30; At 5.3,5). 



PRINCIPAIS DECLARAÇÕES BÍBLICAS: 



1. Em João 1.1 encontramos uma das maiores provas de que Cristo é Deus. No original grego diz: “e Deus era a palavra”, declarando assim explicitamente que Cristo é Deus. 



2. Sabemos que Deus é o Criador das coisas, em Jo 1.3; Hb 1.2; Cl 1.16, vemos que Cristo é o Criador de todas as coisas. 



3. Tomé declara em relação a Cristo: “Senhor meu e Deus meu!” (At 20.28). 



4. UMA PROVA “ESPETACULAR”DA TRINDADE 



Observe a passagem clássica em Isaías 6. a) O Ser a Quem é dirigido a adoração é o “Senhor dos Exércitos”, o Pai. b) Mas em João 12.41 em manifesta referência a esta transação diz sobre a glória dele (de Cristo). Portanto, temos também o Filho, cuja glória nesta ocasião o profeta disse ter visto. c) Atos 28.25 determina que também havia a presença do Espírito Santo. As palavras deste versículo, Isaías declara que foram ditas na mesma ocasião pelo “Senhor dos Exércitos” (Is 6.9). 



Resumindo todas as circunstâncias de Isaías 6: 



O LUGAR: o santo lugar dos santos; a repetição da homenagem, TRÊS vezes, Santo, santo, santo; o ÚNICO Jeová dos Exércitos, a quem foi dirigida; O pronome plural usado por este ÚNICO Jeová, NÓS; A declaração do evangelista de que nesta ocasião Isaías viu a glória de CRISTO; A declaração de Paulo, que o Senhor dos Exércitos que falou nessa ocasião era o ESPÍRITO SANTO; E a conclusão não parecerá desprovida da mais poderosa autoridade, tanto circunstancial quanto declaratória, que a adoração, Santo, santo, santo, referia-se à Divina Trindade, na essência do Senhor dos Exércitos. 



De acordo com isso, em Apocalipse, “o cordeiro” está em associação com o Pai, sofre ou é objeto de igual homenagem e louvor dos santos e dos anjos. Esta cena em Isaías é transferida para o capítulo quatro (v.8), e as “criaturas viventes”, os serafins do profeta, são ouvidos na mesma melodia e com a mesma repetição trina, dizendo: “Santo, Santo, Santo é o Senhor Deus, o Todo-poderoso, aquele que era, que é e que há de vir”. 



5. Vejamos outra passagem: Gênesis 48.15,16



Temos, nas palavras de Jacó, a menção de Três Pessoas distintas:a) “O Deus em cuja presença andaram meus pais” eb) “o Anjo que me tem livrado”. 



Temos aqui pelo menos duas Pessoas; mas, mais adiante, temos, o



c) “Deus que me sustentou”.



Este último, indubitavelmente distingue-se do Anjo e também do Deus diante do qual os seus pais andaram. Portanto, temos aqui Três Pessoas distintas, sob três nomes pessoais e realizando obras distintas. Cada um realizando obras distintas e recebendo adoração que só a Deus é devida. 



Os dois outros são realmente Pessoas Divinas, pois as Escrituras confirmam isso: Elas descrevem Deus Pai como o líder, o mestre, ou aquele diante do qual nossos pais andaram; e o Filho como o Goel, o Anjo que remiu; e Deus que é o Autor de toda iluminação, santificação e conforto, com oEspírito Santo que nos fornece alimento espiritual e nos alimenta com ele.



Também outras passagens atribuem ser Cristo o Próprio Deus (Rm 9.5; Tt 2.13; Hb 1.8; 1Jo 5.20; 1Co 8.5,6; Ap 4.11). 



F. AS TRÊS PESSOAS RECEBEM OS MESMOS ATRIBUTOS: 



Eternidade: Pai (Sl 90.12); Filho (Ap 1.8,17; Jo 1.2; Mq 5.2); Espírito Santo (Hb 9.14). 


Poder infinito: Pai (1Pe 1.5); Filho (2Co 12.9); Espírito Santo (Rm 15.19). 


Onisciência: Pai (Jr 17.10); Filho (Ap 2.23); Espírito Santo (1Co 2.11). 


Onipresença: Pai (Jr 23.24); Filho (Mt 18.20); Espírito Santo (Sl 139.7). 


Santidade: Pai (Ap 15.4); Filho (At 3.14); o Espírito é chamado de Espírito Santo, foi por isso que os anjos clamaram: “Santo, santo, santo é o Senhor dos Exércitos” (Is 6.3). 


Verdade: Pai (Jo 7.28); Filho (Ap 3.17); Espírito Santo (1Jo 5.6). 


Benevolentes: Pai (Rm 2.4); Filho (Ef 5.25); Espírito Santo (Ne 9.20). 


Comunhão: Pai (1Jo 1.3); Filho (idem); Espírito Santo (2Co 13.14). 



Tudo o que se diz de uma Pessoa é como que se as outras não existissem. O fato de que cada Pessoa possui todas as características divinas e de maneira tão completa que pareceria que nenhuma outra precisaria possuí-las, declara a distinção existente entre as Pessoas. 



Por outro lado, o fato de que elas todas manifestam estas características de maneira idêntica e na mesma medida, declara a Unidade da qual o seu modo de existência brota.

Aquele Que é Bom


“Não é por causa de sua justiça ou de sua retidão que você conquistará a terra delas. Mas é por causa da maldade destas nações que o Senhor, o seu Deus, as expulsará de diante de você, para cumprir a palavra que o Senhor prometeu, sob juramento, aos seus antepassados Abraão, Isaque e Jacó.” Deuteronômio 9:5.

Lendo as histórias narradas no Antigo Testamento, muitas pessoas questionam por que Deus não manifesta mais seu poder daquela forma, com sarças ardentes, mares se abrindo, vitória nas guerras, sol parado no céu. O texto de Êxodo capítulos 19 e 20, lembra um episódio impressionante: um monte tremendo e fumegando com a presença do Senhor. Deus falou audívelmente, mas o povo ficou com medo e não suportou o espetáculo. “Se Deus falasse assim comigo hoje, eu creria nele”, podem pensar alguns. Porém, o texto lembra que muitos daqueles que presenciaram tal manifestação divina rejeitaram o Senhor.

Todos os dias Deus demonstra seu amor por nós. Estamos vivos, e só isso já é motivo para agradecer. Porém podemos acostumar-nos a receber coisas boas e esquecer de glorificá-lo por isso. De igual modo, Israel contava com a presença e atuação diária do Senhor. Em Deuteronômio, Moisés lembra à nova geração o que Deus fizera e ainda faria por seu povo. Diante de tudo haviam recebido e daquilo que ainda viria, a nação escolhida poderia pensar que ela mesma fosse muito boa e, por isso, digna do auxílio divino. Se assim acontecesse, jamais seria agradecida. Contudo, para evitar essa situação, Moisés diz qual era o motivo de Deus ser tão generoso com eles. Afinal, como o texto de Deuteronômio 9:5 que lemos acima deixa claro, aquele povo não era bom, antes teimoso. Não seria por merecimento que Israel passaria a possuir a terra, mas porque fora prometida por Deus. O princípio expressado aqui é que o motivo de recebermos algo é Aquele que dá. Deus promete e cumpre, pois é fiel.

Conosco ele age da mesma forma. O que recebemos não é por merecimento nosso, mas por ele ter prometido e porque nos ama. Ele disse que Jesus viria para nos dar vida eterna, e este veio. Também prometeu que nos daria o necessário para nossa sobrevivência, e assim faz. Jesus disse que estaria conosco, e sempre está. Portanto, seja agradecido - afinal; Deus cumpre suas promessas não por sermos bons, mas porque ele é fiel. Nisto podemos confiar. Mesmo quando agimos de maneira indigna, temos o que comer, vestir e onde morar. Deus não depende do nosso merecimento, antes o Senhor é fiel a ele mesmo. Então, glorifique ao Senhor por isso!

Se você tem esperado por grandes milagres, saiba que o maior deles é ser aceito por Deus como filho, por meio de Cristo. E o melhor ainda virá, quando encontrarmos nosso Senhor no céu!

CURA LIBERTAÇAO

Esta literatura evangélica é inspirada na Palavra de Deus. Destina-se a todas as pessoas e, de modo muito eficaz, a pessoas com angústia, melancolia ou depressão, psicológica ou espiritual (não fisiológica). Se você é cristão aplique a você aquilo que falta dentro dos sete passos. Comece na página interna e siga os passos em seqüência como quem sobe uma escada. Creia e Deus irá abençoar você profundamente. O segredo de sua eficácia está no arrependimento bíblico e integral do "homem piedoso segundo o coração de Deus - Davi", que abrange os pecados no plural (Sl 51:1, 3 e 9), pecado no singular ou natureza (Sl 51:2, 3 e 10), pecados dos ancestrais, cujo arrependimento se dá sob responsabilidade e orientação da liderança (Sl 51:5 com Neemias 9:1-3 e Lev:26:40-42) e termina na inclusividade da cruz - a consumação das consumações, onde o arrependimento também "está consumado!" (Sl 51:17 e Lc 9:23-24). Além disso, adiciona orações de repreensão e batalha espiritual com quebra de obras de ocultismo.